Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

26 de setembro de 2018

Preconceito não rima com respeito

Aldo Bocchini Neto

Revista Superpedido - Número 13 - Julho/Agosto de 2007

A livraria deve ser um lugar plural e honestamente aberto a minorias, tanto para se trabalhar nela como para freqüentá-la. Afinal, vendemos livros, que contêm os muitíssimos e variadíssimos pensamentos produzidos pelo homem. Seria triste, justamente numa livraria, campear o preconceito.

Nela, não podem ocorrer manifestaçães de preconceito por causa de cor da pele, sexo, etnia, idade, classe social, religião, orientação sexual ou política. Essa idéia precisa ser difundida e debatida com o pessoal da loja. Todos têm de saber que a manifestação de preconceito por causa da cor da pele, por exemplo, pode resultar em demissão.

Um preconceito comum é o que se manifesta quando atendemos mal uma pessoa que julgamos pobre pelo modo como ela está vestida. “Esse cara só vai tomar o meu tempo. Não vai comprar nada.” Quando um vendedor pensa assim e age conforme seu preconceito, está desrespeitando o cliente.

Quanto ao modo como nos referimos aos nossos clientes, é bom criar o hábito de dizer clientes, simplesmente. Assim, deveríamos sempre falar “aquele cliente” ou “aquela cliente”, não “aquele baixinho” ou “aquela gorda”.

Os seus clientes, na sua loja, não são o bonitão, a nariguda, o magre/o, a gostosa. Os seus clientes são os seus clientes. E eles gostam de perceber que são respeitados na sua livraria. Converse sobre isso com o seu pessoal.

Aldo Bocchini Neto dá cursos e presta consultoria a livreiros e futuros livreiros.

Mais Colunistas

Todas as notícias sobre "Colunistas"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

578.880.000

Livros lidos em 268 dias de 2018 no país

Publicidade