Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

22 de setembro de 2017

Recomendações do Fórum Literatura na Escola

25/7/2008

Recomendações do Fórum Literatura na Escola

A partir de um documento apresentado pela AEILIJ e da convocação da Câmara Setorial do Livro, Literatura e Leitura, dos Ministérios da Educação e da Cultura, organizados pelo Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), cerca de 70 pessoas – especialistas do setor, representantes das cadeias criativa, produtiva e distributiva, representantes de professores e bibliotecários – reuniram-se durante os dias 24 e 25 de julho no auditório do MEC em Brasília, para debater o tema LITERATURA NA ESCOLA.

Contando com a colaboração de experiências do Brasil, da Argentina e do Chile, o programa foi dinâmico e enriquecedor ao proporcionar reflexões e diretrizes importantes para o tema em debate. Certamente, como afirmou a secretária de Educação Básica, Professora Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva, não ficará apenas circunscrito àquele Fórum, mas será um instrumento importante como subsídio ao desenvolvimento das políticas de leitura do MEC.

Realizado dentro dos parâmetros ideais do PNLL – busca do consenso, livre debate, atuação conjunta de todas as cadeias do livro – o Fórum, apesar de não ser uma instância deliberativa, redigiu algumas recomendações que sintetizam as principais conclusões dos dois dias de trabalho.

RECOMENDAÇÕES DO FÓRUM LITERATURA NA ESCOLA

1) O Fórum Literatura na Escola recomenda ao Conselho Nacional de Educação (CNE) que se inicie um amplo debate visando à reintrodução da literatura nas diretrizes curriculares e que a Biblioteca seja considerada um recurso de aprendizagem central no processo escolar.

2) O Fórum Literatura na Escola recomenda a proposição, com a chancela final do MEC e do MinC, de um guia sobre o assunto, dirigido a professores, educadores, editores, imprensa especializada, bibliotecários, autores e público em geral contendo proposições sobre o tema, baseadas nas discussões ocorridas neste Fórum; a saber, no privilégio à autonomia literária, à literariedade das obras, à leitura como fonte de prazer, reflexão e engrandecimento humano, à liberdade de criação e leitura e, enfim, à criação de espaços especiais para a Literatura nas escolas, tratada não como matéria curricular nem sujeita a avaliação, mas oferecida como experiência de leitura aos alunos. Um esboço dessa peça, posteriormente encaminhada ao MEC e ao MinC, será redigido por uma comissão integrada por instituições representativas dos escritores,  de educadores, de bibliotecários, em contato com pólos hoje empenhados na formação de professores leitores e mediadores de leitura. O guia não deverá chegar à escola sem apoio, mas acompanhado de professores com formação para utilizá-lo. Deve também contemplar, consoante com os pontos de vista levantados neste fórum, uma literatura livre de utilização e utilitarismos, tanto políticos, quanto religiosos e didáticos, de interferências de concepções que burlam sua autonomia, como as que vulgarmente são denominadas de “temas transversais”, “uso paradidático” e “palavras e expressões politicamente corretas”. Trará como princípios a defesa da biblioteca escolar como o coração e o cérebro da escola; da preservação e ampliação de seu espaço físico, acervo e recursos, principalmente da figura do responsável pela biblioteca como um profissional especializado na mediação da leitura. Recomenda ainda a promoção do professor como leitor, em primeiro lugar, considerando sua formação, qualificação contínua e remuneração, com condições, tempo disponível, direito e obrigação de adquirir, manter e explorar continuamente um acervo pessoal; e imediatamente a seguir, como mediador de leitura. Finalmente, o guia reforçará a concepção de Literatura - dentro dos princípios da liberdade, da criação e da autonomia literária - como experiência existencial viva, expressão e engrandecimento do indivíduo e das culturas, prazer e fruição, reflexão sobre o sentido da vida e da saga humana, exploração dos múltiplos aspectos do ser e da condição humana, busca do belo, risco estético, transformação da pessoa e do mundo.

3) O Fórum Literatura na Escola recomenda que a biblioteca escolar seja compreendida como espaço destinado aos diferentes níveis de escolaridade (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio), devendo atuar como centro dinamizador da leitura e difusor do conhecimento produzido pela humanidade, de forma a garantir o acesso aos bens culturais produzidos socialmente e traduzidos nos diferentes suportes de informação que abrigam esses textos – da literatura ao texto científico (definição adotada para o texto de regulamentação da lei do livro). Recomenda igualmente organizar e implementar diferentes modalidades de formação, básica e continuada, para bibliotecários de escolas, enquanto mediadores de leitura, a partir de projetos-piloto a serem realizados em distintas realidades brasileiras.

Brasília, Ministério da Educação, 25 de julho de 2008.
Plenária do Fórum Literatura na Escola.

Mais O que foi dito

Todas as notícias sobre "O que foi dito"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

570.240.000

Livros lidos em 264 dias de 2017 no país