Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

24 de novembro de 2017

Ana Maria Machado pede a volta de projetos para incentivar leitura no país

Istoé - 01/09/2017

A escritora Ana Maria Machado, imortal da Academia Brasileira de Letras e ícone da literatura infantil no país, pediu hoje (1º) a retomada de políticas públicas que incentivem a leitura no país. Ela citou programas implementados e já extintos, como o Literatura em Minha Casa, do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), que em 2002, pela primeira vez levou livros para muitas famílias do interior. Outro programa, mencionado pela escritora, fomentava a formação do professor leitor no Rio de Janeiro.

“A literatura abre os horizontes, porque não está preocupada só em ensinar, em dar informação. Ela torna cidadãos mais conscientes, pessoas mais felizes, mais solidárias com os outros, entendendo a diversidade alheia, o que os outros sentem, sofrem, querem, temem. Porque a literatura permite a você entrar no papel de outro personagem. Isso enriquece muito a experiência da gente, muito mais do que apenas o livro didático.”

Ana Maria foi homenageada ontem (1º) na 18ª Bienal do Livro do Rio de Janeiro, em cerimônia de comemoração dos 80 anos da Política Pública do Livro. Outro homenageado foi o ex-ministro da Educação e Cultura e imortal Eduardo Portella, morto há quatro meses.

Participaram da cerimônia os ministros da Educação, Mendonça Filho, e da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Domício Proença Filho, além de Célia Portella, viúva do ex-ministro.

Plano de Leitura

Segundo Sá Leitão, o ministério tem articulado no Congresso Nacional a aprovação do Plano Nacional do Livro e da Leitura, uma das principais frentes da pasta para estímulo de leitura nas escolas.

“Estamos articulando com os deputados e senadores para que possamos aprovar o Plano Nacional do Livro e da Leitura, que traz uma série de diretrizes, metas e ações. Boa parte delas, a ser executada pelo Ministério da Cultura, mas isso vai nos dar uma base legal para que possamos realizar esse papel importante, que o ministério tem que ter numa política de incentivo ao livro e à leitura. Certamente vai ser um instrumento muito importante para incentivarmos o livro e a leitura no país”, disse Sá Leitão

O ministro Mendonça Filho disse que, além dos livros didáticos enviados às escolas de todo o país, o MEC também investe em livros literários.

“Temos um programa nacional de livros paradidáticos e literatura. No ano passado, investimos R$ 100 milhões em livros dedicados ao Programa Nacional na Idade Certa e queremos soltar brevemente novo edital de aquisição de livros de literatura, para estímulo da leitura nas escolas públicas de todo o país. Essa é a política principal.”

Mendonça Filho informou que planeja ações conjuntas com a ABL para criar políticas públicas de estímulo à leitura nas escolas, “principalmente nas escolas públicas”.

Antes da cerimônia, os dois ministros fizeram uma visita à bienal, passando pelos estandes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro.

Mais Clipping do livro e leitura

Todas as notícias sobre "Clipping do livro e leitura"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

706.320.000

Livros lidos em 327 dias de 2017 no país