Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

21 de maio de 2018

‘Ela é a minha inspiração para a vida’, conta mãe que escreveu livro sobre a filha com Síndrome de Down

Fernanda Rodrigues - G1 - 01/01/2018


Era uma vez uma Menina que entrou em um bosque secreto e mágico, onde árvores muito altas se fechavam em copa, o colorido das plantas dava conta que ali habitavam seres divinos e figuras místicas”. Logo nas primeiras linhas, o livro “A Bellinte” mostra um mundo diferente, habitado pela personagem principal da história. Valentina Pinheiro Rocha, de Passos (MG), tem só 9 anos, mas já virou estrela pelas mãos da mãe, Cristine Pinheiro, autora da obra.

A ideia de colocar a filha, portadora da Síndrome de Down, como personagem de uma história em um mundo fantástico veio após um ensaio fotográfico. Fã de fotos, a mãe encontrou em um dos ensaios a definição perfeita da filha. A menina foi vestida de roupas medievais, em um bosque, com cenário e poses que lembram o universo dos clássicos infantis.

Cada foto do ensaio ganhou uma pequena história, que foi postada nas redes sociais e atraiu muitos seguidores.

“As fotos da Valentina sempre me revelaram algo muito além da imagem captada. Uma fotógrafa conseguiu captar a essência dela. A ideia do livro surgiu após postagens dessas fotos do ensaio em redes sociais. Percebi que as pessoas começaram a seguir a história e esperavam pelas próximas. Com a sugestão de uma amiga, decidi começar o livro”.

No enredo, Valentina é uma menina escolhida para a missão de ajudar a salvar um lugar especial. Ao longo do caminho, a personagem passa por conflitos e encontra seres especiais, como uma coruja questionadora, um anão pessimista e um gigante bondoso.

“Valentina está na obra desde o início e passa por combates interiores, foi designada para uma missão. No decorrer da história ela passa por situações de dúvida, medo, reflexão, alívio, coragem, surpresa”, conta Cristiane.

Os desafios de criar Valetina vieram acompanhados de novas descobertas. Quando fala da filha, a mãe destaca tudo que a faz diferente e única.

“Ela é determinada e autêntica, sincera e decidida, sensível e atenta ao sofrimento alheio. Ela foi muito desejada, amada e abençoada. No momento em que a vi, minha conta com a vida zerou e renasci. Aliás, pra cada etapa cumprida, minha conta zerava novamente, renasci várias vezes. Hoje, vejo que ela me ensina a ensiná-la”.

Cristiane conta que escrever o livro ajudou a melhorar a percepção não só da filha, mas também de outras pessoas e da vida em sociedade.

Nas 77 páginas, a obra tem artes especiais, cores que lembram escritas antigas e os trechos acompanhados das fotos que mostram Valentina em cada uma das situações do mundo mágico. Nas redes sociais, mãe e filha colecionam elogios à obra, que é comparada a grandes histórias.

A vida de Valentina

Cristiane e o marido, Luiz Antonio Rocha, descobriram a Síndrome de Down no nascimento de Valentina. Com três meses, a família começou o trabalho de estimulação na Apae de Passos e, desde então, ela passa por fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia e equoterapia.

Com três anos, Valentina começou na escola regular e terapias particulares. Além da escola padrão, a menina tem aulas de reforço e faz atividades como natação, balé e música.

“Quanto à saúde, tem as mesmas preocupações de uma criança típica. Não apresentou nenhuma cardiopatia. Ama nadar, brincar com cavalos, jogos virtuais e bonecas”.

Mais do que apresentar um olhar diferente da vida de Valentina e das aventuras de uma criança com Síndrome de Down, Cristiane vê o livro escrito em homenagem à filha como uma forma de ensinar sobre a relação com os sentimentos bons e ruins.

A ideia é que a filha leia o livro no futuro. “Ela se dará conta de que não importa em que momento a historia se apresenta, as pessoas têm ideia errada de urgência. Penso que ela sempre encontrará o bem e o mal, mas terá discernimento para distinguir um do outro. São esses sentimentos que nos fortalecem”.

Mais Boas ideias

Todas as notícias sobre "Boas ideias"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

302.400.000

Livros lidos em 140 dias de 2018 no país

Publicidade