Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

21 de julho de 2018

Mestre em teoria literária vive nas ruas há 10 anos em Aracaju

Anderson Barbosa - G1 - 21/12/2017


Praça Fausto Cardoso, Centro de Aracaju (SE). O endereço conhecido por importantes prédios históricos e pela sede dos Poderes Judiciário e Legislativos municipal e estadual é também a residência de José Henrique da Conceição, de 59 anos, um mestre em Literatura pela Universidade de Brasília (UNB) que há cerca de 10 anos vive passou a engrossar os mais de 101 mil pessoas que vivem em situação de rua no Brasil, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

“Existe um processo de exclusão que não poupa ninguém, independente da formação profissional. Além de mestre, sou licenciado em língua inglesa e literatura, falo diversos idiomas. Também sou tradutor e intérprete, lecionei 27 anos em diversos estados brasileiros e fora do Brasil”, enumera.

Mestre Henrique nasceu no Rio de Janeiro (RJ), mas o avô dele é natural de Propriá (SE), por isso que após lecionar em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo decidiu atuar na Região Nordeste. “Há alguns anos eu tive o privilégio, não estava no Brasil, estava na Guiana Francesa e como já era a minha vontade de vir para Sergipe eu enviei o currículo para a Faculdade Atlântico, fui muito bem recebido, porém ele foi a óbito e depois acabou sendo vendida a instituição”, relembra.

Em Aracaju, José Henrique espera realizar o desejo de fundar a Escola de Pensamento do Nordeste. “Fui fundador do Núcleo de Estudos Clássicos Eudoro de Sousa da Universidade de Brasília, onde foram formados grandes mestres e doutores, mas aqui ainda não recebi apoio de ninguém. É muito complicado. A gente não é recebido pelos gestores, que dizem, depois me procura lá. Procura lá é um eufemismo de que não será recebido”, lamenta.

Paulo Henrique é uma das 200 pessoas, que de acordo com a prefeitura, vivem em situação de rua em Aracaju e, segundo o projeto municipal “Consultório na Rua”, faz parte do grupo privilegiado que teve acesso a educação. “Tem muita gente formada, muita gente com família. 70% da nossa população de rua de Aracaju sabe ler, então teve acesso ao ensino formal. Então eles acabam se perdendo nas ruas por falta de oportunidade”, disse a psicóloga Kamila Fialho.

Sobrevivência

O capital intelectual é quem ajuda na sobrevivência do ex-professor universitário que na dissertação de mestrado mergulhou na hermenêutica da narrativa em Grande Sertão: Veredas. Através das redes socais e do blog Linguarama, ele disponibiliza mais de 10 mil páginas com informações em artigos e livros que escreve desde 1996.

Entre as obras do professor estão os livros “A Desconstrução da metafísica e a reconciliação de poetas e filósofos” e “A Hermenêutica da Concriatividade de Euclides da Cunha”, este traz o comentário de Germano Machado da Cepa Brasil (BA).

“Apenas solicito colaboração das pessoas para terem acesso ao material. A maioria colabora e assim vamos seguindo a vida. Recentemente orientei uma sindicalista e conseguiu vaga de mestrado na área de geografia da na USP, a minha orientação custou R$ 500”, afirma.

Preconceito

Na opinião do mestre, existe um corporativismo muito grande e um preconceito que ele denomina de biopsicoetnico e pro causa disso não consegue espaço no mercado de trabalho. “Eu não vim pra mendigar. Vim para apresentar meu capital intelectual de 27 anos de experiência no magistério e na docência, no Brasil e fora, para a comunidade sergipana. Solicito as instituições de ensino superior dessa cidade, e interior do estado, que que estou a disposição para lecionar”, desabafa.

A pergunta que ronda a cabeça de muita gente, também inquieta o professor. “Como é que um mestre em teoria literária, com projeto de doutorado, já aprovado pela UFBA, fica na ruas? Tem alguma coisa errada aí. É do sistema dominante. É uma invisibilidade de não enxergar o outro. Aí vai buscar a causa tachando você disso e daquilo. É a ineficiência”, afirma.

Mais Destaques

Todas as notícias sobre "Destaques"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

434.160.000

Livros lidos em 201 dias de 2018 no país

Publicidade