Blog do Galeno Observatório do Livro e da Leitura

26 de setembro de 2018

Mil compram, 200 milhões podem ler

PUBLISHNEWS, REDAÇÃO, 22/08/2018

Instituto disponibiliza gratuitamente novas traduções digitais de clássicos em domínio público. Para bancá-las, vende edições limitadas do mesmo livro em papel.

 

Ilustração de Andre Ducci para 'O livro da selva', de Rudyard Kipling, que inaugura o projeto Domínio ao Público | © Reprodução

Ilustração de Andre Ducci para 'O livro da selva', de Rudyard Kipling, que inaugura o projeto Domínio ao Público | © Reprodução

Peter Pan fala inglês, Pinocchio fala italiano, 20 mil léguas submarinas está em francês. Assim, como um brasileiro que não fala esses idiomas pode ler essas obras? Mesmo em domínio público e, portanto, com acesso livre a qualquer um, esses livros precisam ser traduzidos para o português caso queiram atingir o maior número de brasileiros. Só que a tradução desses livros também passa a ser protegida pela lei do direito autoral, portanto, embora o leitor tenha acesso ilimitado e livre ao original, as suas versões em português precisam ser respeitadas, já que não estão, necessariamente, em domínio público. Por isso é que esses livros, mesmo em formato digital, continuam sendo vendidos em livrarias mundo afora.

No Brasil, um projeto promete eliminar, de forma legal e justa, a necessidade de pagamento para ter acesso a esses títulos. É o site Domínio ao Público que acaba de entrar no ar. Criado pelo Instituto Mojo de Comunicação Intelectual, o site traz novas traduções feitas por nomes como Delfin, Gabriel Naldi, Ricardo Giassetti e Andre Roschel e coloca ali edições digitais que podem ser baixadas gratuitamente.

Para bancar o projeto, o Mojo recebe doações e taxas de associação. Pessoas físicas e jurídicas podem doar qualquer quantia. Há, porém, um presente reservado aos que doarem quantias a partir de R$ 79,90: uma edição impressa do Clube do Livro para Leitores Extraordinários com capa dura, ilustrações inéditas e refinamento editorial e gráfico. A cada mil doações, o Instituto se propõe a publicar mais uma obra em domínio público no mesmo formato.

O primeiro título que já está disponível no site é O livro da selva, de Rudyard Kipling, que apresenta as primeiras histórias de Mowgli, o menino-lobo, e outras fábulas que fizeram desta obra uma das mais importantes do Século XX. Em seguida, estão Peter Pan & Wendy, de J. M. Barrie; O mágico e a maravilhosa Terra de Oz, de L. Frank Baum (o primeiro e o segundo livro da série); e As aventuras de Alice: no País das Maravilhas e através do espelho, de Lewis Carroll (também composta de dois livros). Os livros impressos são ilustrados por André Ducci.

 

Os organizadores assumem que a curadoria privilegiou, nesse primeiro momento, obras com viés infantojuvenil, mas que, ao longo dos meses seguintes, contando com a adesão de associados ao clube de assinaturas, as obras passarão a se diversificar gradativamente, tendo como objetivo final a criação de um acervo com grandes obras da humanidade, que abrange desde os clássicos gregos até os modernistas do Século XX. 

As edições digitais – todas bilíngues (língua original e português) – estão acessíveis em praticamente todos os smartphones, tablets, e-readers e computadores, em formato ePub, Html e Adobe PDF.

Mais Leitura digital

Todas as notícias sobre "Leitura digital"

Receba por e-mail


Cadastre-se!

Livrômetro

Relógio da leitura no Brasil

578.880.000

Livros lidos em 268 dias de 2018 no país

Publicidade